PROGRAMA MAIS ASFALTO

PROGRAMA MAIS ASFALTO

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Saneamento: Flávio Dino fez em dois o que a oligarquia Sarney não fez em quarenta anos

Com a despoluição, banhistas voltam às praias de São Luís. Foto: Biné Moraes/O Estado
Com a despoluição, banhistas voltam às praias de São Luís. Foto: Biné Moraes/O Estado
Uma placa do passado e do desgoverno: praias com águas que nem o passarinho não bebe
Uma placa do passado e do desgoverno: praias com águas que o passarinho não bebe
Aos que perguntam o que mudou no Maranhão com a eleição de Flávio Dino, uma boa resposta foi dada nesse sábado com o laudo de balneabilidade divulgado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema) constatando que 100% das praias de São Luís estão, depois de mais de quatro anos, próprias para o banho.
A despoluição das praias é resultado de um trabalho sério e sem as pirotecnias com o dinheiro público promovidas pelo Ancien Régime sarneysista, que durante os mais de 40 anos de domínio se preocupou tão somente em inaugurar obras que resultassem em votos, condenando o Maranhão a ter um dos piores índices de saneamento básico do País.
Inauguravam estações de tratamento na superfície para iludir e conquistar a aprovação da população, deixando de investir, por ser uma obra subterrânea e que ninguém vê, na ampliação da rede coletora de esgoto para conduzir os resíduos, que eram lançados diretamente nos mananciais, rios e praias da cidade.
Flávio Dino homenageia funcionária da empresa que construiu a ETE Vinhais
Flávio Dino homenageia funcionária da empresa que construiu a ETE Vinhais
Até o final do governo Roseana Sarney, apenas 15% do esgoto produzido em São Luís recebia tratamento antes de ser jogado no meio ambiente, exatamente porque as estações de tratamento do Bacanga e Jaracaty, inauguradas em 2003, trabalhavam abaixo da capacidade máxima pela insuficiência da rede coletora...

E o que é pior, assim ficou até 2014, ameaçando de extinção os frágeis rios que cortam a ilha de São Luís, e transformando nossas praias apenas em paisagem; aliás, como tudo no Ancien Régime.
Quem não se lembra da inauguração da estação do Jaracaty, quando Ricardo Murad, então gerente Metropolitano do governo José Reinaldo Tavares, antes do rompimento com o grupo Sarney, disse que essa obra fortalecia a luta pelas praias, rios e diversas espécies de animais, além de melhorar a qualidade de vida de cerca de 80 mil moradores da região?
Não é à toa que Flávio Dino enfrentou uma certa frustração de quem procurava acima da terra as mudanças prometidas com sua eleição;   enquanto ele trabalhava silenciosamente embaixo para garantir efetivas melhorias na qualidade de vida de todos os ludovicenses, prometidas e não cumpridas por Murad na superfície.
Ricardo Murad tirando onda nas praias poluídas de São Luís: R$ 30 milhões foram parar no fundo do mar
Ricardo Murad tirando onda nas praias poluídas de São Luís: R$ 30 milhões foram parar no fundo do mar
Flávio não só concluiu a Estação de Tratamento do Vinhais, iniciada por Roseana, como fez o que ela nunca se preocupou em fazer, que foi a implantação de uma rede coletora, que possibilitou o tratamento de 40% do esgoto da capital, evacuando os enterococcus de nossas praias, e da vida cotidiana do cidadão exposto à inúmeras doenças parasitárias e infecciosas provocadas pela falta de saneamento básico.
Com um investimento de R$ 14 milhões o atual governo pretende tratar até 2018 70% do esgoto de São Luís, a partir das obras iniciadas em 2015 pela Caema.
Antes disso não eram só os dejetos, mas também o dinheiro público que ia pelo ralo.
Em 2013, o Ministério do Turismo liberou R$ 30 milhões para o consórcio governamental Roseana/Ricardo Murad realizar obras de saneamento e despoluição de nossas praias!
A perda do canal dos Leões provocou o entupimento mental do que restou após a queda do grupo Sarney.
Na mesma semana em que o governador Flávio Dino anunciava os resultados das suas obras de saneamento, o deputado neto, Adriano Sarney, escreveu um artigo dizendo que o comunismo estava em queda no Maranhão.
Pelo visto, no seu caso, não tem estação de tratamento que dê jeito!

0 comentários :

Postar um comentário