quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Confira as 10 piores cervejas do Brasil

Site elencou as piores cervejas comercializadas no Brasil.

.
BAVARIA
Já vão longe os tempos em que Zezé, Chitão e outros sertanejos cantavam seus jingles na TV. Hoje a pobre Bavaria não tem nem site na interner… Foi relegada à prateleira de baixo dos supermercados, aquela onde as baratas passeiam, geralmente em latinhas amassadas. Ela não tem o chulé nem o gosto exagerado de álcool zulu presente nas outras low-cost. Seu problema está no gás, que é estranhamente ardido. Fora isso, beleza. É uma Skol de quarto mundo.
RIO CLARO
É uma cerveja inofensiva, e isso não é um elogio. Se estiver bem gelada, até te passa a perna num primeiro momento. Basta a temperatura subir 0,5ºC para o desespero começar. Sem “punch” nenhum, tem gosto de gelo derretido em copo de uísque vagabundo – também conhecido como gosto de água suja. É saída para fazer quantidade em fim em churrasco, servida após várias rodadas de cervejas boas.
SAMBA
Achei que o nome se justificaria no dia seguinte, pela chance de acordar com a bateria da Vai-Vai e da Mangueira, juntas, alojadas na cabeça. Mas não é que ela é razoável no quesito harmonia? Vai bem também no fantasia, pois o selo protetor não gruda na lata. Perde pontos em evolução, já que é produzida pela Conti. Mas se tratando de vagabundas, a Samba é melhor que muita musa do Funk.
FREVO
Diretamente do Recife, a cerveja Frevo tem gosto de sarampo líquido (e ela nem é tão líquida assim) misturado com hemodiálise. A cada três goles, uma lágrima ácida escorre do olho esquerdo. A essa altura, o direito já está cego. Nem para tubarão que quiser harmonizar com um suculento surfista da praia de Boa Viagem esse líquido é recomendado. Melhor beber detergente Ypê.
MÃE PRETA
Na teoria é tipo Stout, na prática é Caracu misturada com a diarréica Malzbier. Sua rançosa espuma te premia com um bigode à la baixinho da Kaiser, que “pegou” a Karina Bacchi, que por sua vez, “ficou” (por 20 mil) com o Cristiano Ronaldo. Pelo gosto e nome, Mãe Preta deveria ser a cerveja oficial da macumba: harmoniza com o charuto do Pai de Santo e é ideal pra embebedar a galinha do despacho.
CINTRA
Pense no desespero. Agora imagine que ele é uma cerveja. Eis a Cintra, conhecida como Skol From Hell. No copo, ela apresenta mais bolhas que água tônica e um dourado pálido e pouco convidativo. O colarinho lembra espuma suja e melecosa de garapa. Mostrou alto grau de “empapuçamento”, prejudicando o restante da noite de degustação, já que ao tomar você desenvolve uma momentânea aversão a alcoól.
CRYSTAL
Seguindo a estelionatária tendência das latinhas mais finas e vagabundas, a Crystal deixa um gosto na boca que lembra demais um Guaraná Diet Dolly. Para “ajudar”, a cola do selinho gruda na lata e deixa vestígios de alumínio e cola. O 1º gole é horrível. A 1ª lata é difícil de tomar. Mas, depois de ficar meio bêbado, com certo esforço dá para pensar que é Brahma guardada aberta de um dia para o outro sob a churrasqueira.
CONTI
A breja disputa em pé de igualdade com a Cintra o título de Skol From Hell, ou seja, cerveja com gostinho de Álcool Zulu que vai bater no seu fígado com raiva. Antes disso, ela assusta pelo cheiro e pela aparência quase sem espuma e sem bolhas. Recomendada apenas para os mais fortes (e aos suicidas).
BELCO
Esse atentado ao bom senso ficou por último por um nobre motivo: foi a única cerveja que não consegui tomar uma lata inteira. Ela é doce de um jeito bizarro e vira espuma de shampoo para lavar cachorro quando entra em contato com a língua. E, claro, nem para te deixar bêbado serve. É a pior cerveja já feita. Quem não pode beber, que peça uma Coca. É mais digno.

Jornal Pequeno.

0 comentários :

Postar um comentário