sábado, 13 de abril de 2019

Em discurso polêmico, deputado diz que cais na Ponta d’Areia agregaria classe C

Repercute nas redes sociais nas últimas horas desta sexta-feira (12) uma polêmica fala do deputado federal Edilazio Júnior (PSD) sobre a construção de um terminal aquaviário na Península da Ponta D’areia, área nobre de São Luís.
Em seu discurso durante uma assembleia com moradores da Península, Edilazio falou que vários ludovicenses teriam saído de outros bairros para a região em busca da qualidade de vida que passou a existir há pouco tempo. “Hoje vocês tem uma vida própria. Vocês não precisam sair daqui mais pra nada, tem entretenimento para comer bem, beber bem, enfim”, disse.
“Se fosse aquilo ali ia ser muito bacana que cada um poderia ter sua lancha, poderia seu barco, seria já algo a mais para agregar à Península da Ponta D’Areia. Mas, o que de fato vai trazer, o público que vai vir pra cá, é um público que não tem nada a ver com vocês, não tem nada a ver com a gente e sem desmerecer, que não entendam mal, mas o que vai vir pra cá é o público C e não adianta falar de turismo, que não tem turista”, questionou sobre a instalação do cais.
Para ele, o cais se tornaria uma alternativa para a Baixada Maranhense, que ao invés de fazer viagens de 1:30 hora a 3 horas, passaria a fazer o mesmo trecho em cerca de 45 minutos. “E o que que vai vir pra cá? Vai vir os carrinhos, vai vir mototáxi”, afirmou aos moradores.

Os Terminais Portuários terão cais flutuantes capazes de receber embarcações, independentemente das tábuas de marés, que atualmente só permitem a navegação no período da cheia. Com a implantação dos Terminais Portuário na Ponta d’Areia, em São Luís e do Terminal Independência, em Alcântara, estima-se a realização de 24 viagens por dia, com embarcações saindo a cada 1 hora, transportando 3.312 passageiros diariamente.
Convidado para falar nesta sexta-feira (12) aos telespectadores do jornal Na Hora D, apresentado pelo jornalista Jeisael Marx, sobre convocação de operadores de vans para regularização – cujo cadastramento é obrigatório e que segue até o dia 26 de abril sem prorrogação-, o presidente da Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB), Lawrence Melo, recebeu com tristeza a declaração do deputado federal.
“É, realmente, uma declaração que nos traz tristeza. O deputado Edilazio é um homem público, é um deputado federal, foi eleito com mais de 100 mil votos e esses votos, eu tenho certeza, que são universais. Um homem é um voto, então não tem classe, não tem cidade, não tem bairro. E nos traz tristeza, verificar o que foi dito no bojo da discussão de um equipamento que o Governo do Estado do Maranhão tenciona entregar, não apenas para São Luís, não apenas para Alcântara, mas para todos os maranhenses, que é o cais flutuante”, lembrou o presidente da MOB.
 Terminal Independência em Alcântara. (Reprodução)
Do ponto de vista técnico, Lawrence Melo disse que a escolha do lugar também está galgada na questão econômica, já que estudos demonstram que a dragagem que será realizada para a instalação do cais será menor no perímetro do que em qualquer outro já sugerido. “Possibilitar, única e exclusivamente, a solução para essa ida para São Luís e Alcântara, pessoas que precisam se deslocar nesse trecho tanto para trabalho, quanto para turismo”, esclareceu.


MA10

0 comentários :

Postar um comentário