terça-feira, 24 de setembro de 2019

Análise: Na ONU, Bolsonaro divide o mundo, cria inimigos e apela a Deus

Na tribuna mais simbólica do mundo, o presidente brasileiro demonstrou ganas pelas terras indígenas, em especial nos minerais.

No primeiro discurso feito na Assembleia Geral Da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) apresentou-se ao mundo como os brasileiros o conhecem desde o início do ano. Recorreu a inimigos do tempo da Guerra Fria, inventou que o Brasil esteve “à beira do socialismo”, reforçou o papel da França como inimiga e, no fim, apelou para Deus.
Fora do tom diplomático dos antecessores, Bolsonaro também investiu contra a própria ONU, por exemplo, em relação ao convênio dos mais médicos com Cuba. Mais uma vez, apontou a imprensa como causa de sua má conduta – como no caso das queimadas na Amazônia.
Na tribuna mais simbólica do mundo, o presidente brasileiro demonstrou ganas pelas terras indígenas, em especial nos minerais. Não disse quem se beneficiaria das riquezas do subsolo. O momento de rara relevância também foi usado por Bolsonaro para tentar ofuscar a imagem de um índio, o cacique Raoni, uma voz em defesa da preservação da mata.

A retórica de Bolsonaro contra os ambientalistas condiz com sua visão e sua prática em relação à floresta. Nesse ponto, deve-se esperar a reação dos outros chefes de Estado. Ao se mostrar disposto a forçar a barra para explorar a Amazônia, o capitão põe em risco conexões importantes no cenário externo.
Deve-se aguardar, por exemplo, mais reações contra o acordo entre o Mercosul e a União Europeia. A assinatura da abertura comercial intercontinental foi um dos grandes feitos do governo Bolsonaro, que soube capitalizar o esforço feito pelos antecessores. Se as cláusulas ambientais impedirem o prosseguimento das negociações, os produtores brasileiros terão razões para se preocupar com o fechamento desta importante janela para as exportações.
O presidente procurou agradar o mercado com com algumas medidas de seu governo, promessas na abertura da economia. Deu ênfase, também, à cooperação militar com os parceiros de sua preferência, como Estados Unidos e Israel.

Como explicação para tantos confrontos, deve-se observar a paranoia demonstrada pelo capitão em boa parte de seu discurso. Sem qualquer ponderação, o presidente apontou inimigos ideológicos na família, nas escolas, na cultura e nos meios de comunicação. Só faltou falar em comunistas debaixo da cama. Esse é o mundo de Bolsonaro.
Na verdade, faltou falar do Brasil real, longe da briga ideológica fomentada pelo chefe do Executivo. Deixou de falar, por exemplo, da morte na última sexta-feira (20/09/2019) da menina Ágatha Félix . O assunto comoveu boa parte dos brasileiros nos últimos dias. Bolsonaro, no entanto, preferiu omitir do mundo o tiro nas costas da menina.


Metrópoles.com

0 comentários :

Postar um comentário